Médicos cristãos salvam a vida de mais de 4 mil bebês em comunidade muçulmana

No Chade, iifoide, malária e dengue são predominantes, e a maioria da população espera viver mais que 50 anos. É um lugar que precisa desesperadamente de uma boa prestação médica.

 

Médicos cristãos salvam a vida de mais de 4 mil bebês em comunidade muçulmana. (Foto: Reprodução/Health Media International)
Médicos cristãos salvam a vida de mais de 4 mil bebês em comunidade muçulmana. (Foto: Reprodução/Health Media International)

Iniciar o trabalho de um hospital cristão numa comunidade muçulmana em meio ao deserto não é tarefa fácil. Mas é exatamente o que uma equipe de profissionais cristãos têm feito no Chade, localizado no centro-norte da África.

As temperaturas do país costumam passar dos 40 graus. Tifoide, malária e dengue são predominantes, e a maioria da população espera viver mais que 50 anos. É um lugar que precisa desesperadamente de uma boa prestação médica.

Os cirurgiões britânicos Andrea e Mark Hotchkin trabalharam como voluntários no Hospital Guinebor II, próximo à capital do Chade, N’djamena. Enviados em 2011 pela Missão Mundial BMS com o apoio de igrejas do Reino Unido, eles atuaram como médicos e líderes de um projeto de saúde para a comunidade muçulmana — presenciando resultados surpreendentes.

“É realmente gratificante poder trabalhar e fazer a diferença na vida das pessoas”, disse o Dr. Mark Hotchkin. “Damos graças a Deus pelo trabalho que Ele nos deu. Trabalhar em um lugar como este foi realmente porque eu coloquei a medicina em primeiro lugar.”

Nos últimos cinco anos, médicos como Mark e Andrea foram resposnáveis por preservar a vida de 4.200 bebês, que foram entregues para as mães saudáveis e com segurança no Guinebor II. Com a recente abertura de um novo centro de saúde materno, o hospital espera cuidar de 10 mil bebês nos próximos cinco anos.

No Chade, muitas mulheres recebem assistência médica apenas no momento do parto. “Muitas mulheres no Chade não realizam check-ups”, disse a Dr. Andrea Hotchkin. “As pessoas não enxergam a importância do pré-natal, a menos que elas estejam doentes. Mas isso significa que se houver um problema, ele não foi identificado com antecedência.”

Andrea espera que, ao educar as mulheres sobre a importância dos cuidados pré-natais, a vida de muitas mais mães e bebês podem ser salvas. E os resultados tem sido bons. O número de mulheres que deram à luz no Guinebor II tem aumentado continuamente, mês a mês.

Com o novo centro, os números estão crescendo ainda mais rápido. Em três meses de funcionamento, foram entregues 405 bebês em segurança. No mesmo período de 2014/15 eles haviam entregue apenas 284. Houve um aumento de 121 bebês entregues com segurança.

Um trabalho semelhante tem sido feito no Chade pela África Inland Mission em parceria com igrejas evangélicas locais para atender as necessidades físicas e espirituais das pessoas. Doutor Ann Fursdon, da AIM, coordena e supervisiona o trabalho de 37 Centros de Saúde.

Fonte: Guiame.com.br