Bolívia regulamenta trabalho infantil com ‘salários adequados’

O Senado boliviano aprovou, nesta quinta-feira (26), o novo Código da Criança e do Adolescente que autoriza e define regras para o trabalho a partir dos 14 anos de idade e permite exceções para que crianças também possam trabalhar a partir dos doze anos.

O texto foi aprovado após nove horas de debates e a expectativa é de que seja sancionado pelo presidente Evo Morales, como disse à BBC Brasil o economista boliviano Javier Gómez, do Centro de Estudos para o Desenvolvimento Trabalhista e Agrário (Cedla, na sigla em espanhol, de La Paz). “O texto reconhece uma situação que já existe no país e estabelece regras para que estes meninos e meninas tenham horas de trabalho e salários adequados com a idade deles e com o que fazem”.

“Além disso”, disse Gómez, “o projeto prevê sanções para empresários que contratarem crianças para trabalhos duros, como ocorre hoje na mineração e em outros setores”, disse Gómez, falando da capital do país, La Paz.

Protestos

O texto foi modificado depois de ser aprovado pela Câmara dos Deputados no ano passado, após protestos de líderes de grupos de crianças e de adolescentes que trabalham.

Nos protestos, principalmente em La Paz, as crianças e adolescentes pediram que a idade de catorze anos fosse reduzida para pelo menos doze anos de idade. “Os parlamentares dizem que querem que possamos estudar e levar uma vida saudável.

Mas o problema é que se não trabalharmos não poderemos estudar”, disseram representantes da chamada Unión de Niños y Niñas Trabajadores de Bolivia (União das Meninas e Meninos Trabalhadores, UNATSBO), logo depois que o texto foi aprovado na Câmara. Os líderes do grupo afirmaram ainda que “precisam trabalhar para estudar e para ajudar os pais”.

Nos protestos do ano passado, eles foram reprimidos pela polícia e logo depois um grupo de cerca de trinta crianças e adolescentes se reuniu com o presidente no palácio presidencial Quemado, em La Paz. Evo teria sinalizado o apoio ao pedido e teria dito que o trabalho gera “conscientização”.

Confecção e mineração

O Cedla diz que 250 mil crianças e adolescentes trabalham na Bolívia – cerca de 5% da população economicamente ativa. Já segundo um levantamento de 2008 do Instituto Nacional de Estatísticas (INE), esse número seria de 850 mil.

De acordo com o levantamento, na maioria dos casos, os menores trabalham para ajudar a família, em atividades como engraxar sapatos, limpar vidros, ou trabalhando em pequenas confecções ou no setor de mineração.

A Bolívia é um país rico em recursos minerais. E apesar de muitos trabalhadores e empresários do setor de confecção terem se mudado para São Paulo, o ramo ainda continua gerando ampla parcela de trabalho no país, mesmo em confecções caseiras.

Para os defensores do novo código, a regulamentação dará às crianças e adolescentes a “oportunidade” de aprender um ofício e trabalhar com limite de horas – seis horas – e ter salário “digno como o dos jovens com idades de 17 ou 18 anos”, como afirmou o presidente do Senado, Eugenio Rojas.

Ele afirmou ainda à Bolívia TV que o texto define as etapas etárias da infância e da adolescência no país para que sirvam de base para o cumprimento da norma. A primeira infância, disse, irá de zero a cinco anos, a segunda infância de seis a doze anos e a adolescência entre doze e dezoito anos. “Menores de 14 anos estão proibidos de trabalhar, mas existem exceções, dependendo da atividade e sempre que a criança tiver a estrita supervisão dos pais e da defensoria da infância, e realmente queira trabalhar”, disse Rojas.

De acordo com o parlamentar, os adolescentes teriam pedido para continuar trabalhando argumentando que “precisam de algum dinheiro para cadernos e lápis e comida”. Os adolescentes teriam afirmado ainda que “não teriam do que viver” se não trabalhassem.

“Foi por isso que classificamos vários trabalhos para eles”, disse Rojas. Ele disse ainda que a medida estabelece que todos eles, crianças e adolescentes trabalhadores, passarão a ter direito a seguro social. “A lei nos protegerá”, disseram representantes das crianças e dos adolescentes, de acordo com a imprensa local.

Fonte: BBC Brasil

Fase de grupos da Copa do Mundo da FIFA™ alcança números inéditos na transmissão por TV

  • Audiências recordistas em todos os grupos da Copa do Mundo
  • FIFA espera uma audiência de TV maior que em 2010
  • “Divisor de águas” para o futebol nos EUA

 

A fase de grupos da Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014™ alcançou números recordistas de telespectadores em todo o planeta, com um desempenho inédito nos Estados Unidos e um progresso impressionante também na Europa, na Ásia e em outras partes do continente americano.

Todos os oito grupos da Copa do Mundo registraram um recorde de audiência em ao menos um território, o que ressalta a amplitude da popularidade do futebol em todo o mundo.

As arrasadoras cifras sustentam a expectativa da FIFA de um aumento na audiência global de TV em relação aos 3,2 bilhões de espectadores alcançados na Copa do Mundo da FIFA África do Sul 2010™.

“Achamos que os números globais de audiência da Copa do Mundo da FIFA 2014 mostrarão de novo que a Copa do Mundo é o evento esportivo de uma única modalidade mais popular do planeta e que o futebol é o esporte número um no mundo”, diz o diretor da TV FIFA, Niclas Ericson.

“Esta impressionante alta no interesse nos EUA é um verdadeiro ‘divisor de águas’ para a Copa do Mundo da FIFA e para o futebol. Estamos entusiasmados por ver a maneira com que os torcedores americanos estão recebendo a Copa do Mundo da FIFA como nunca antes”, afirma Ericson. “Também estamos observando números ótimos na Ásia, na Europa e em outras partes do continente americano, o que nos dá a confiança de que esta Copa do Mundo se mostrará a mais popular da história no que diz respeito à audiência de TV”.

Entre os principais números da fase de grupos no Brasil estão:

EUA: O jogo com Portugal foi a partida de futebol mais vista na história da TV americana, com mais telespectadores que qualquer jogo das finais da NBA e que a média das finais de beisebol de 2013 (ESPN e UNIVISION: 24,7 milhões na soma).

Brasil: A partida com a Croácia teve a maior audiência de uma transmissão esportiva na TV em 2014 (Globo e Bandeirantes: 47,4 milhões na soma).

França: O jogo com a Suíça registrou a maior audiência da TV desde 2007 (TF1: 16,7 milhões).

Holanda: A partida contra o Chile registrou a maior audiência da TV desde a final da Copa do Mundo da FIFA 2010™ (Ned1: 8,1 milhões).

Alemanha: O jogo com os EUA teve a maior audiência da TV em dois anos (ZDF: 27,3 milhões).

Itália: O jogo com o Uruguai foi visto pela maior audiência da TV em dois anos (RAI 1, Sky Mondiale, RAI Sport: 19,3 milhões na soma).

Reino Unido: A partida contra o Uruguai teve a maior audiência da TV em dois anos (ITV: 17,9 milhões)

Espanha: O jogo contra o Chile obteve a maior audiência da TV em dois anos (Telecinco: 13,2 milhões)

Japão: A partida com a Costa do Marfim foi a maior transmissão esportiva de 2014 (NHK: 34,1 milhões).

Para todos os detalhes dos relatórios da FIFA sobre cifras da audiência de TV em dias de jogos, acesse o Canal de Mídia da FIFA ou escreva para media@fifa.org.

Cristão é condenado por insultar Maomé no Facebook

Um cristão copta foi condenado a seis anos de prisão no Egito. O crime cometido pelo homem de 29 anos foi ter insultado Maomé em uma postagem no Facebook.

O Islã proíbe qualquer tipo de representação de Maomé, e além de ter postado uma imagem, o acusado ainda teria feito um comentário ofensivo contra o profeta fundador da religião.

A postagem do cristão egípcio gerou revolta na população do sul do país, seis pessoas jogaram pedras contra a residência dele como represália.

A polícia precisou intervir e prendeu os seis agressores, que foram libertados em seguida, mas manteve o cristão preso. Com a decisão da justiça, ele continuará na cadeia.

No Egito há 86 milhões de habitantes, destes apenas 10% são cristãos coptas, como minoria eles enfrentam diversas discriminações, além de serem alvos de ataques contra suas casas e suas igrejas. Com informações G1.

Consumo de drogas atinge 243 milhões de pessoas no mundo, diz ONU

Cerca de 5% da população mundial entre 15 e 64 anos, o que corresponde a uma média de 243 milhões de pessoas, usa drogas ilícitas segundo dados divulgados pelo Relatório Mundial sobre Drogas da ONU (Organização das Nações Unidas).

O estudo indica, no entanto, que o consumo permanece estável, aumentando proporcionalmente com o crescimento da população. A divulgação do relatório foi feita em Viena (Áustria) nesta quinta-feira (26), concomitantemente com o Dia Internacional contra o Abuso de Drogas e Tráfico Ilícito.

Elaborado pelo Escritório da ONU sobre Drogas e Crime (UNODC, na sigla em inglês), o relatório aponta também a existência de uma média de 27 milhões de usuários de drogas problemáticos (aqueles que consomem drogas regularmente ou os apresentam distúrbios ou dependência). Isso corresponde a cerca de 0,6% da população adulta mundial ou 1 em cada 200 pessoas.

Leia também:  Drogas fazem com que 80% dos pais viciados abandonem seus filhos

Os dados são de 2012 e foram fornecidos à entidade pelos países participantes do levantamento.

Outro dado preocupante, segundo o estudo, é que apenas um em seis usuários de drogas tem acesso ou recebe algum tipo de tratamento para dependência de drogas a cada ano. Em 2012, ocorreram 200 mil mortes relacionadas a drogas.

“Países emergindo de conflitos ou escapando da crise econômica podem ser esmagados por drogas ilícitas que atravessam suas fronteiras”, destacou o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, em comunicado.

O secretário-geral da ONU chamou ainda a atenção da comunidade internacional para que intensifique o combate às droga, como forma de evitar o aumento da violência e o enfraquecimento de instituições essenciais do Estado.

O diretor-executivo do UNODC, Yury Fedotov, apontou ainda a necessidade de um foco maior na saúde e nos direitos humanos dos usuários de drogas, especialmente daqueles que fazem uso de drogas injetáveis e que vivem com HIV.

Em 2016, a ONU pretende levar o problema das drogas à pauta da Assembleia Geral.

Queda da cocaína e da maconha

O relatório também aponta um maior número de pessoas procurando tratamento para transtornos relacionados à maconha, o que demonstraria aumento da dependência da droga

De acordo com o relatório, houve queda na disponibilidade de cocaína no mundo devido à menor produção de 2007 a 2012. Porém, o uso permanece alto na América do Norte, apesar de os números caírem na região desde 2006. Na América do Sul, o consumo de cocaína e o tráfico se tornaram mais proeminentes.

A ONU destaca em seu relatório que o Brasil é um país vulnerável ao tráfico de cocaína, devido à sua geografia estratégica no tráfico para a Europa, mas também ao fato de ser um mercado consumidor devido à grande população urbana. Citando dados da Senad (Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas), o estudo indica que 3% dos estudantes universitários, de todas as idades, usam cocaína.

Leia também: Polícia divulga fotos mostrando efeito de drogas e álcool em criminosos

A África, prossegue, teve aumento no uso de cocaína em razão do crescimento do tráfico pelo continente. Já o maior poder de compra tornou alguns países asiáticos mais vulneráveis ao uso dessa droga.

O uso de maconha apresentou um declínio no mundo, segundo a ONU. Porém, na América do Norte, o consumo aumentou: isso porque, na região, usuários da droga acreditam que ela oferece riscos menores à saúde.

A entidade afirma que ainda é cedo para entender os efeitos da legalização da droga em alguns países. No entanto, o relatório aponta que há um maior número de pessoas procurando tratamento para transtornos relacionados à cannabis, o que demonstraria aumento da dependência da droga.

O aumento de dependentes da maconha também é percebido no Brasil, informou a Senad à ONU, baseada em dados colhidos em 2012. Enquanto isso, o país está em sétimo lugar no combate ao plantio e à produção da droga.

Drogas sintéticas e opiáceos

A ONU afirma que as apreensões de metanfetamina mais que dobraram globalmente entre 2010 e 2012. Na América do Norte, a fabricação dessa droga aumentou: das 144 toneladas de estimulantes apreendidas globalmente, metade foi interceptada na região.

O Afeganistão continua como o maior país produtor de ópio, representando 80% da produção global. Além disso, em 2013, a produção global de heroína também voltou aos altos níveis testemunhados em 2008 e 2011.

Os Estados Unidos, a Oceania e alguns países da Europa e da Ásia têm visto usuários alternarem o consumo entre heroína e opioides farmacêuticos – a tendência deve-se, em grande parte, aos baixos preços e à acessibilidade.

O número de novas substâncias psicoativas não reguladas no mercado global mais que dobrou entre 2009 e 2013, chegando ao total de 348.

Leia também: Drogas: legalizar para quem? Questiona especialista

Fonte: UOL

Ministros ‘derrubam’ Barbosa e autorizam Dirceu a trabalhar fora do presídio

Por nove votos a um, o Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou nesta quarta-feira (25), às vésperas do recesso do Judiciário, que o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu possa trabalhar fora do Complexo Penitenciário da Papuda, onde cumpre pena. Com aval da mais alta Corte do país, o principal personagem do escândalo do mensalão passará a cumprir expediente no escritório de advocacia do criminalista José Gerardo Grossi, em Brasília, onde receberá 2.100 reais mensais.

A decisão em favor do Dirceu ocorre após o processo do mensalão trocar de relator – o ministro Joaquim Barbosa, responsável pela maior parte das condenações de políticos e empresários ao longo do julgamento, deixou o caso depois de ter sido alvo do que classifica de “manifestos” e “insultos pessoais” como parte de advogados dos mensaleiros. Com a saída de Barbosa, o processo foi redistribuído para o ministro Luís Roberto Barroso, que conduziu os votos nesta quarta-feira em benefício dos condenados.

Leia também: Mensalão: agora cabe a Barroso manter império da lei com saída de Barbosa

Desde que começaram as prisões dos condenados no escândalo do mensalão, estava a cargo das Varas de Execuções Penais a autorização ou não para o trabalho externo dos mensaleiros. Pelo menos oito deles, incluindo o ex-deputado Valdemar Costa Neto e o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares, haviam conseguido autorização judicial para trabalhar fora da cadeia e retornar ao presídio apenas durante a noite. Em decisões individuais, porém, o ministro Joaquim Barbosa suspendera os benefícios por considerar que, antes de poderem dar expediente em ambiente externo, os mensaleiros deveriam cumprir o mínimo de um sexto da pena atrás das grades. A tese de Barbosa tinha por base o artigo 37 da Lei de Execução Penal, que prevê que “a prestação de trabalho externo, a ser autorizada pela direção do estabelecimento, dependerá de aptidão, disciplina e responsabilidade, além do cumprimento mínimo de um sexto da pena”.

Ao analisar recursos dos condenados do mensalão contra os vetos do ministro Joaquim Barbosa, o Plenário do STF concluiu nesta quarta-feira que detentos do regime semiaberto não precisam cumprir um sexto da pena antes de trabalhar fora do presídio. Os magistrados também desconstruíram o argumento de Barbosa refratário a ofertas de entidades privadas e derrubaram a tese de que uma possível deficiência na fiscalização dos condenados poderia inviabilizar, de imediato, a autorização para trabalho externo. Em seus votos, os ministros afirmaram que a Lei de Execução Penal tem como pilar a ressocialização do preso e, por isso, o trabalho pode ser autorizado assim que a proposta de emprego for aprovada pelas autoridades responsáveis. “No regime semiaberto, o trabalho é um capítulo importante da ressocialização. A decisão tomada nesse processo servirá de baliza para todo o país, daí a importância de não se passar a ideia de que o trabalho externo seria frivolidade”, resumiu o novo relator do caso Luís Roberto Barroso.

Na sessão desta quarta-feira, os ministros da mais alta Corte do país discutiram o caso específico de José Dirceu, mas o aval dado ao mensaleiro será extensivo dos demais condenados, que também poderão retomar as atividades fora da cadeia. Nos debates sobre a autorização de trabalho externo para os condenados do mensalão, apenas o decano da Corte Celso de Mello considerou que o benefício não é possível para nenhum dos mensaleiros porque não houve o cumprimento prévio de um sexto da pena. Joaquim Barbosa, que havia utilizado este argumento para barrar os mensaleiros fora da cadeia, não participou da sessão.

Prisão domiciliar

Pedido de prisão domiciliar para José Genoino foi negado

Antes de decidir sobre o direito ou não de trabalho externo para os condenados do mensalão, os ministros do Supremo negaram, por oito votos a dois, pedido do ex-presidente do PT José Genoino para cumprir pena em prisão domiciliar. Condenado a quatro anos e oito meses pelo crime de corrupção, Genoino alegava que o sistema carcerário brasileiro não tinha condições de garantir a ele tratamento de saúde adequado. No ano passado ele se submeteu a cirurgia para corrigir uma dissecção na artéria aorta.

Embora tenha negado regime domiciliar ao petista José Genoino, o relator Luís Roberto Barroso fez mais uma vez uma defesa política do condenado no julgamento, dizendo que a trajetória do mensaleiro como “símbolo de valores igualitários e republicanos não foi destruída” pela condenação criminal. O ministro, que em outras sessões de julgamento do mensalão já havia afirmado “lamentar” a penalização de Genoino, antecipou que, no dia 25 de agosto, concederá ao petista o benefício da progressão para o regime aberto, com prisão domiciliar. A partir do dia 24 de agosto, Genoino terá completado um sexto da pena, o que permite a ele progredir de regime de cumprimento de pena. Para a formalização do benefício bastará um atestado de bom comportamento. Em casos específicos, o juiz da execução penal pode pedir um exame criminológico, mas o STF considera que documento não é obrigatório.

No julgamento do caso de Genoino, o relator do mensalão se apegou a laudos médicos para afirmar que nenhum dos documentos oficiais informou que a prisão domiciliar era fundamental para o petista. A despeito da defesa política do mensaleiro, Barroso destacou que, no sistema penitenciário do Distrito Federal, existem 306 detentos hipertensos, 16 cardiopatas, 10 com câncer, 56 com diabetes e 65 com a HIV. “Preocupa a situação do agravante [Genoino], não é ela diversas de outros presos. Em rigor, há muitos deles em situação mais dramática”, resumiu. Apenas os ministros José Antonio Dias Toffoli e Ricardo Lewandowski votaram em favor da prisão domiciliar. Ambos alegaram “razões humanitárias” para conceder o benefício.

Fonte: Veja

Sudão: cristã condenada à morte é presa novamente, agora com o marido

A sudanesa Meriam Yahia Ibrahim Ishag, de 27 anos, solta nesta segunda-feira (23), após ter sido condenada à morte por abandonar o Islã e se converter ao cristianismo, foi presa novamente nesta terça-feira (24), segundo informações de seus advogados dadas à emissora americana CNN.

O marido dela, Daniel Wani, também foi preso. O casal foi detido em um aeroporto de Cartum, a capital do Sudão, quando tentava deixar o país. Não foram divulgados mais detalhes sobre a prisão.

A condenação à forca de Meriam, no dia 15 de maio, provocou fortes críticas de vários governos ocidentais e grupos de direitos humanos.

Filha de muçulmano, ela foi condenada pela lei islâmica, que proíbe conversões, depois de ter se casado com um cristão, com quem já tinha um filho de 1 ano e 8 meses.

Ela também foi condenada a 100 chicotadas por adultério, já que, segundo a interpretação sudanesa da sharia (lei islâmica), as uniões entre uma muçulmana e um não muçulmano são consideradas traição conjugal.

Quando foi condenada, a mulher estava grávida e deu à luz uma menina 12 dias depois do veredicto. Após o parto, a sudanesa foi levada da cela que dividia com seu primeiro filho e outras mulheres.

Fonte: G1

Corpo de Bombeiros registrou 1335 atendimentos durante o período da Copa no RN

O Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio Grande do Norte (CBMRN) intensificou, desde o início da Copa do Mundo, no dia 12 de junho, em toda região metropolitana, suas ações preventivas e de salvamentos. Visando atender as demandas deste período, o CBMRN manteve diariamente um efetivo de 317 militares no serviço operacional. Além de bombeiros potiguares, o Rio Grande do Norte (187) contou ainda com o apoio de militares do Pará (06), Maranhão (12) e da Força Nacional de Segurança (112).

Até a quarta-feira (25) o Corpo de Bombeiros registrou, na região metropolitana, 1.335 atendimentos com relação direta e indireta com a Copa. Do total de ações registradas neste período, 1.333 ocorreram no litoral, 01 na BR 304 e 01 ao em torno da Arena das Dunas. Das ocorrências na orla, 23 foram salvamentos aquáticos, 10 atendimentos pré-hospitalar e 2.300 ações entre preventivas e de advertências (como forma de orientação).

Para o Capitão Marcos Miranda, Comandante do Grupamento de Busca e Salvamento (GBS), os resultados obtidos pelo CBMRN na Copa são considerados positivos. Apesar do aumento de cerca de 30% de banhistas no litoral, neste período, as estatísticas da corporação apontam que a segurança contra afogamentos também aumentou consideravelmente. De acordo com o Capitão Miranda, o bom resultado foi possível graças ao reforço de guarda vidas oriundos de outros estados.

“Os dados demonstraram a importância da ampliação de guardas vidas e da ativação de novos postos de observações no litoral potiguar, mesmo no período pós-copa. Dos 23 salvamentos aquáticos registrados, entre os dias 12 e 25 de junho, 19 foram em praias que normalmente não possuíam bombeiros antes do mundial”, destacou o capitão.

Considerando o quantitativo de salvamentos, em que os bombeiros tiveram que intervir para retirar banhistas do mar que estavam sendo levados por correntes marítimas, a praia do Forte liderou as estatísticas com 7 ocorrências, seguida por Pipa (4), Genipabu (3), Artistas (2), Meio(2), Tibau do Sul (2), Barra do Cunhaú (2) e Buzius (1). Deste total, dois eram estrangeiros (um alemão e outro americano) e os demais eram residentes brasileiros. A corporação ainda registrou dois óbitos por afogamento, na praia de Areia Preta, numa área pouco frequentada por banhistas. O fato, ocorrido no dia 19 deste mês, envolveu dois irmãos adolescentes do Rio de Janeiro, um de 13 e outro de 16 anos, que estavam em férias, em Natal, visitando familiares. As buscas duraram dois dias. Os corpos dos jovens foram resgatados e transportados de volta ao Rio de Janeiro.

Ao todo 144 militares foram escalados para realizarem atividades de prevenção e resgate em situações de afogamentos. Vinte e dois postos de guarda vidas foram montados no litoral norte, urbano e sul, compreendendo uma faixa litorânea de aproximadamente 145 Km. Os pontos fixos escolhidos foram nas praias de Barra do Rio, Genipabú, Santa Rita, Redinha, Forte, Meio, Artistas, Areia Preta, Via Costeira, Ponta Negra, Pirangi do Norte, Búzios, Arituba, Camurupim, Tibau do Sul, Pipa e Barra do Cunhaú.



Bombeiros que atuavam na Fifa Fan Fest e Via Costeira apoiaram vítimas de deslizamento em Mãe Luiza

As tropas distribuídas nas forças tarefas da Fifa Fan Fest e Corredor Turístico (Via Costeira), foram essenciais na rápida atuação em apoio as vítimas do deslizamento de terra, ocorrido no dia 14 de junho, em Mãe Luiza. Em poucos minutos, mais de 50 bombeiros foram deslocados para as ruas Atalaia e Guanabara, na zona leste da cidade, onde auxiliaram a Defesa Civil na remoção de cerca de 500 pessoas que estavam nas áreas de risco. Os bombeiros também isolaram 146 residências no bairro. Apesar da destruição de 36 casas, em função da catástrofe natural, não houve relatos de feridos.

 

Posto Avançado de Salvamento em Angicos diminuiu em uma hora e meia o socorro às vitimas de acidente na Br 304

 

Outra ocorrência atendida pelos bombeiros, neste período, ocorreu na BR 304, no dia 15 de junho, entre os municípios de Lajes e Fernando Pedrosa. Na ocasião, um acidente entre um veículo tipo L-200 e um Astra vitimou uma pessoa e feriu outra. Graças à presença de um posto avançado de salvamento dos bombeiros, no município de Angicos, ativado por causa do mundial, a ação contou com o rápido socorro do Corpo de Bombeiros e diminuiu em cerca de uma hora e meia o tempo resposta da guarnição. Em dias comuns, sem o mundial, as unidades mais próximas do local do acidente ficariam nos municípios de Natal e Mossoró. Outros locais escolhidos como Postos para intervenções em possíveis acidentes de trânsito, mas que não registraram ocorrências durante a Copa, foram: Aeroporto de São Gonçalo, Macaíba, RN 160, BRs 226 e 101.



Torcedor americano que prendeu a perna em tampa de bueiro foi resgatado com o uso de desencarcerador



         No dia 17 de junho, após o jogo entre Estados Unidos e Gana, ao entorno da Arena das Dunas, os bombeiros realizaram um resgate de um turista americano que prendeu a perna em uma tampa de bueiro nas proximidades da UFRN. Com o uso de um desencarcerador, equipamento hidráulico com capacidade de expandir estruturas metálicas, os bombeiros conseguiram retirá-lo do local sem gravidades. O torcedor, que aparentava ter ingerido bebida alcoólica em excesso, sofreu arranhões leves, foi conduzido ao Pronto Socorro Clóvis Sarinho e depois liberado.



Guarnição especializada em QBRNE não registrou ocorrências


           A força tarefa especializada em operações Químicas, Biológicas, Radiológicas, Nucleares e Explosivas (QBRNE), vinda do Corpo de Bombeiros Militar do Pará, em apoio ao CBMRN, não registrou ocorrência.


Ação integração entre as forças de segurança trouxe mais agilidade aos atendimentos



De acordo com o Comandante Geral do CBMRN, Coronel Elizeu Lisboa Dantas, o CBMRN agiu de forma integrada com os demais órgãos da esfera municipal, estadual e federal, conforme estabelecido na matriz de responsabilidades, descrita no caderno de atribuições da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos (SESGE), o que tornou mais ágil a atuação do órgão pela facilidade de comunicação com outros agentes públicos.

 

 

Corpo de Bombeiros destaca os investimentos que ficaram de legado da Copa


Como legado da Copa do Mundo, o CBMRN destaca os investimentos realizados para renovação da frota de veículos, aquisição de equipamentos e capacitação da tropa. Desde 2011, a corporação adquiriu dois novos caminhões de Combate a Incêndios, 25 veículos Ford Fiest para o serviço administrativo e de vistorias, 1 Auto Busca, Resgate e Salvamento, dois ônibus de 55 lugares, um microônibus de 33 lugares, uma Van e três auto florestal.

Além disso, desde 2012, a corporação passou a ter uma maior integração com Samu 192/RN, atuando em uma mesma Central de Gerenciamento de Emergência, situada no Quartel do Comando Geral do CBMRN, o que vem diminuindo o tempo resposta das ocorrências e melhorando a eficiência dos atendimentos.

Através da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) e do Ministério da Justiça, cerca de 40 cursos foram oferecidos, em diferentes especialidades, permitindo a capacitação de 85% do efetivo do CBMRN.

O Centro Integrado de Comando e Controle Regional (CICCR), instalado no Centro Administrativo, na Escola do Governo, é outra aquisição importante para segurança pública que ficará como legado. O local concentra-se todas as forças da Segurança Pública do Rio Grande do Norte, com equipes das Polícias Federal, Militar, Civil, Guarda Municipal, Samu, Corpo de Bombeiros, entre outras, e possui equipamentos que recebem imagens em tempo real de aproximadamente 300 câmeras de monitoramento em vários pontos da cidade.

Com relação aos equipamentos, somente em 2013, foram adquiridos cerca de 1700 novos materiais entre operacionais e de proteção individual, o que garantiu mais segurança aos militares. Entre estes equipamentos estão, roupas de aproximação ao fogo, luvas, botas, capacetes Gallet, cilindros de oxigênio, mangueiras, entre outros.

Em junho de 2014, a Corporação adquiriu 7 novas embarcações que reforçarão as ações de socorro no litoral.