Sesap divulga dados da dengue no RN em 2014

O RN apresentou 13.369 casos notificados como suspeitos de dengue, entre o início de 2014 até o dia 03 de janeiro de 2015, o que aponta uma queda de 46,45%, em comparação ao total de notificações referentes ao ano de 2013 (24.965 casos). Os números foram divulgados pela Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), por meio do Programa Estadual de Controle da Dengue, e são referentes à Semana Epidemiológica nº 53.

         Quanto aos óbitos, foram notificados 41 casos suspeitos, dos quais se confirmaram 25. Esses dados mostram uma redução de 21% em relação ao ano de 2013, quando foram registrados 52 casos suspeitos. A letalidade da doença também caiu: de 28,68%, em 2013, passou para 16,34%, em 2014, correspondendo a um decréscimo de 43,02%. Do total de municípios do RN, 55 apresentam alta incidência da doença, 34 estão com média, 62 com baixa e 16 com incidência silenciosa.

No entanto Kristiane Fialho, da equipe técnica do Programa Estadual de Controle da Dengue, alerta que “é importante a população tomar os cuidados básicos de prevenção: armazenar a água parada com proteção, limpar periodicamente as caixas d’água, deixando-as tampadas, evitar recipientes que acumulem água, prestar mais atenção a possíveis depósitos de água, como pneus e telhados, além de armazenar corretamente o lixo e não jogá-lo em terrenos baldios”.

 

Novas tecnologias contra a dengue

Preocupados em fortalecer o combate ao mosquito Aedes aegypti no Rio Grande do Norte, os secretários da Sesap, Ricardo Lagreca e Marconi Lima da Rocha receberam na manhã desta quinta-feira (29) uma comitiva de pesquisadores do Laboratório de Inovação Tecnologia em Saúde (LAIS) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Na ocasião o coordenador do LAIS, Ricardo Valentim apresentou aos secretários o projeto de desenvolvimento de um software para potencializar o trabalho de combate à proliferação do mosquito transmissor da dengue e da febre chikungunya nos municípios potiguares.

Para o titular da Sesap, Ricardo Lagreca, a parceria com o LAIS é importante porque vai agregar novas tecnologias e metodologias que estão sendo desenvolvidas para melhorar o Sistema Único de Saúde (SUS), como a otimização de recursos públicos e uma maior agilidade dos processos de trabalho. “Vamos iniciar com a implantação do software Observatório Norte-rio-grandense da Dengue, que potencializará o trabalho que é feito atualmente pela Subcoordenadoria de Vigilância Epidemiológica da Sesap e municípios, para em seguida ampliarmos o sistema para monitoramento de outras doenças e agravos. Com o suporte das novas tecnologias daremos um novo olhar para a promoção e a assistência a saúde em nosso estado”, destaca.

Já o secretário adjunto Marconi Lima da Rocha explica que o LAIS foi convidado a participar dessa parceria com a Sesap porque tem a chancela do Ministério da Saúde na área de pesquisa para inovação do SUS. Atualmente o Hospital Universitário Onofre Lopes, onde fica a sede do laboratório é a principal referência e indutor do processo de pesquisas na área, atualmente possui um dos melhores sistemas de arquivamento de imagens médicas do Brasil, no âmbito da rede de hospitais públicos. “Então na próxima reunião da Comissão Intergestores Bipartite (CIB) apresentaremos a proposta do software aos municípios, para desencadearmos o processo de desenvolvimento e implantação do projeto com as devidas colaborações”.

Além dos secretários, participaram da reunião a coordenadora de Promoção da Saúde da Sesap, Cláudia Frederico e os pesquisadores do LAIS/UFRN, Ricardo Valentim, Hélio Roberto, Bruno Gomes e Custódio Guerreiro.

Anúncios

Sesap requer ampliação de leitos no HUOL para regulação do SUS

A Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) pretende disponibilizar mais leitos clínicos no Hospital Universitário Onofre Lopes para atendimento a usuários do Sistema Único de Saúde. O secretário Ricardo Lagreca e a Coordenadoria de Hospitais de Operações de Hospitais e Unidades de Referência (COHUR) reuniram-se na tarde desta quinta-feira(29) com a direção do Hospital Universitário Onofre Lopes para analisar o pedido da secretaria de inclusão no sistema e na regulação de 30 novos leitos clínicos.

Na reunião, a diretor do HUOL, Stênio Gomes Silveira, explicou que devido à transição na UFRN e mudança de ano, os recursos financeiros para abastecimento só deverão estar aportados em meados de março. “A expectativa é de que somente após a abertura do orçamento, o Hospital Onofre Lopes consiga destinar mais leitos para o atendimento ao SUS”, disse ele.

A alternativa encontrada na reunião para amenizar o problema da carência de leitos no sistema público de saúde, é de que o HUOL e Sesap façam a gestão ou otimização de leitos , com a diminuição do tempo de permanência de pacientes internados, bem como  a transferência daqueles já estáveis para a continuidade do tratamento em outros hospitais com a finalidade de liberar os leitos de alta complexidade.

Procon Natal vai fazer comparação de preços antes e após reajuste de combustíveis

Diante do anúncio do Governo Federal da volta da cobrança da Contribuição para Intervenção no Domínio Econômico (CIDE), que representará um aumento direto no preço dos combustíveis para o consumidor final, o Procon Municipal de Natal já se planeja para adotar medidas que coíbam práticas abusivas. Apesar do início da cobrança da CIDE estar prevista para 90 dias, a cobrança do PIS/COFINS sobre os combustíveis já terá início em 1º de fevereiro.

Segundo o diretor-geral do órgão, Kleber Fernandes, o Procon Natal fará uma pesquisa de preço em 60 postos da capital antes da incidência dos tributos, que acontecerá a partir de 1º de fevereiro, e outra pesquisa 15 dias após o reajuste. “O objetivo é analisar nessa primeira pesquisa se já há postos com valor atualizado antes da incidência dos tributos federais e, na segunda pesquisa, esta após o reajuste, se os preços praticados são proporcionais ao incremento dos tributos federais”, explica ele.

Caso sejam constatados reajustes de preços antes do dia 1º de fevereiro, os postos serão notificados a prestar esclarecimentos e um processo administrativo será aberto para apurar os possíveis abusos. O mesmo procedimento será realizado após a segunda rodada de pesquisa de preços na primeira quinzena de fevereiro, quando o órgão vai comparar os valores das duas pesquisas. O Procon alerta ainda que as pesquisas servirão de base para o consumidor conhecer os preços dos postos mais baratos, divididos por região administrativa, a fim de que possam buscar abastecer nos postos vantajosos.

O diretor Kleber Fernandes afirma que pretende abrir um diálogo com a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e com os conselhos regionais de Contabilidade, Estatística e Economia para firmar termos de cooperação técnica. O propósito é desenvolver ações conjuntas para estudar aspectos econômicos, estatísticos e de formação de custos dos postos de combustível da capital.

Ateu, novo premiê grego se recusa a fazer juramento religioso

O novo primeiro-ministro da Grécia, Alexis Tsipras, 40 anos, tomou posse do cargo rompendo protocolos. Um deles foi dispensar o juramento religioso que é uma tradição da política do país perante a Igreja Ortodoxa.

Descrito como ateu, Tsipras resolveu fazer um juramento civil, prometendo cumprir a Constituição grega.

Outro protocolo rompido pelo premiê foi a ausência da gravata, acessório que ele não utiliza nem mesmo nos eventos que recomendam o uso como o encontro com o Papa Francisco no Vaticano em setembro passado.

Alexis Tsipras é fã do Che Guevara e um de seus filhos leva Ernesto no segundo nome em homenagem ao guerrilheiro argentino de quem o premiê grego tinha um quadro em seu gabinete até pouco tempo atrás.

Por conta desta devoção, o primeiro-ministro ficou apelidado de “Che Guevara grego”, principalmente por sua militância comunista que o levou a ser líder do Syriza – Coligação da Esquerda Radical – formada por várias tendências de esquerda.

Entre suas propostas, Tsipras faz apelos populistas como o fim das medidas de austeridade fiscal impostas pelo bloco europeu e faz promessas que para os seus adversários soam como “mágicas” para resolver os problemas da população grega. Com informações Folha de SP.

Selfie é pecado para o Islã

Com 210 milhões de habitantes e 90% da população adepta do islamismo, a Indonésia é considerada a maior nação muçulmana do planeta. Por isso, quando um importante líder religioso fala, as pessoas param para ouvir.

“Arrogante, suja e sem vergonha”. Esta é a definição de uma mulher muçulmana que se deixa levar pelo “pecado” das selfies. Foi o que afirmou o clérigo muçulmano Felix Siauw. Para ele, as selfies devem ser “proibidas, especialmente para as mulheres”.

“Por estes dias, muitas mulheres muçulmanas têm tirado selfies sem vergonha. Aquelas poses faciais […] Meu Deus, onde está a pureza da mulher?” O autorretrato, ou selfie na gíria em inglês, é comum nas redes sociais. Porém, Siau acredita que essa sede de “protagonismo” e “ostentação” leva as mulheres a caírem no “pior pecado de todos: a arrogância”.

Curiosamente, Siauw recorreu ao Twitter, onde tem mais de um milhão de seguidores, para decretar sua fatwa (decreto religioso). Obviamente, a opinião do clérigo dividiu os muçulmanos de seu país. Enquanto muita gente concordou, uma inundação de posts nas redes sociais passaram a exibir a hashtag #selfie4siauw.

Seus utilizadores postaram centenas de selfies, provocando o líder. Muitos questionaram ainda se ele iria contra o próprio presidente da Indonésia, Joko Widodo, que tem o costume de postar selfies.

Esta é a segunda fatwa este mês que gera revolta nos muçulmanos. Duas semanas atrás, o Sheikh Mohammed Saleh al-Munajjid, da Arábia Saudita, afirmou que fazer bonecos de neve era proibido. Ele argumenta que equivalia a criar uma imagem humana, uma ação considerada pecado segundo o wahabismo, ramo mais conservador do islamismo sunita. Com informações Daily Mail

Lobby LGBT destruiu educação no Brasil, denuncia pedagoga

Em palestra realizada em dezembro de 2014 em Arujá , na Grande São Paulo, a advogada, pedagoga e pastora Damares Alves trouxe novas e impressionantes informações sobre o brutal aparelhamento da educação brasileira pelo movimento LGBT.

“Eu posso fazer nas escolas um grande trabalho de combate ao preconceito sem agredir a identidade biológica das nossas crianças e sem destruir a imagem da família. Mas isso não está acontecendo no Brasil. Aqui está havendo uma verdadeira guerra contra a família”, denunciou.

A pedagoga denunciou o conteúdo de cartilhas pedagógicas de todo o Brasil que abordam a temática sexual nas escolas de forma explícita até para alunos do ensino fundamental.

É um material recheado de notórios incentivos à masturbação, iniciação sexual precoce e experimentação de comportamento bissexual. Algumas cartilhas, de tão explícitas, se tornaram alvo de denúncias dos pais e ganharam reportagens na TV.

A pedagoga também relatou o caso de um pai de Bauru, em São Paulo, que foi olhar o material pedagógico da filha de 12 anos, cursando o sexto ano, e ficou abismado com dever de casa que o livro propunha para a sua filha.

O dever de casa era o seguinte: o aluno era orientado a passar o fim de semana beijando três meninos e três meninas. O tema da redação seria, então, a descrição das sensações vivenciadas durante essas experiências.

“Isso não é combate a homofobia. Não estão respeitando a identidade biológica das nossas crianças. Posso falar de preconceito contra homossexuais sem levar para as escolas, por exemplo, uma cartilha que mostra quatro homens transando. Posso combater o preconceito sem levar isso para crianças entre 10 e 13 anos de idade”, denunciou Damares.

Narrou ainda o episódio vivido por uma professora que – por razões profissionais – não pode ser identificada. Ela flagrou um aluno de apenas 03 anos fazendo sexo oral em um colega. A professora levou o caso à direção e, para sua surpresa, foi orientada a não intervir.

“A diretora daquela escola, seguindo o padrão imposto na educação brasileira, disse para a professora que aquilo era uma demonstração homoafetiva. E, se ela impedisse, poderia ser vista como homofóbica. Mas e se o caso envolvesse um menino e menina? Será que, neste caso, a diretoria não diria que é cedo demais pra isso?”, questionou Damares.

Menina esperta

Damares citou a existência do “Plano Nacional de Cidadania LGBT”, uma diretriz do governo federal, que traz no seu primeiro “eixo estratégico” o objetivo de “estimular materiais didáticos e paradidáticos sobre diversidade sexual”.

São muitos os caminhos que o movimento LGBT tem percorrido, sem alarde, para levar sua agenda ideológica para as escolas. E os resultados, muitas vezes, chocam os professores e demais profissionais que recebem esse material pedagógico.

“Sempre cito o caso da cartilha chamada ‘Meninas espertas vivem melhor’. Nela, ensina-se que meninas não precisam de homens porque podem se masturbar sozinhas. A cartilha vem com um espelhinho pra menina chegar em casa e olhar a própria vagina. E assim ela aprende a se masturbar. Isso foi feito com verba pública”, declarou Damares.

“Essa tem sido a tônica dos materiais que estão chegando nas escolas do Brasil. Não é combate a homofobia. Estão desrespeitando a identidade biológica das nossas crianças e usando verbas públicas para destruir essa geração”, completou.

Todas as informações constam no vídeo da palestra, obtido de forma exclusiva pelo Gospel Prime, “Educação: Missão da Família ou do Estado?”, que Damares Alves realizou em Arujá, para promover ali o projeto de lei do movimento Escola Sem Partido, que busca uma educação sem aparelhamento ideológico.

Assista o video