Em meio à guerra, milhares se convertem na Síria

Missão oferece alimentos, roupas e cuidados médicos para diferentes grupos étnicos

 

O líder de um ministério cristão na cidade costeira de Tartus, na Síria, revelou que não está conseguindo cuidar de todos os refugiados que desejam aprender sobre Cristo e a Bíblia. Ele luta para levantar fundos e plantar uma nova igreja numa nação que está em guerra.

O relatório da Al-Monitor revela que cerca de 700.000 pessoas de outras partes da Síria fugiram para Tartus desde 2011, quando iniciaram os conflitos do governo com grupos radicais que tentam derrubar o presidente Bashar al-Assad.

“Eles vivem em barracas ou tendas improvisadas, alguns estão nas ruas de Tartus”, lamenta um diretor da Mission Christian Aid, ONG cristã que atua no país. “As igrejas estão transbordando, por isso novos templos são necessários para servir os deslocados que procuram um refúgio seguro”.

Desiludidos com o horror perpetrado pelos extremistas islâmicos, milhares de refugiados vieram a Cristo. Devido ao grande número de fiéis, durante os cultos muitos ficam em pé ou assistem do pátio da igreja.

Etnia tem primeiros missionários comissionados

Para atender às necessidades espirituais e físicas do crescente número de armênios, curdos, ex-yazidis, ex-alauítas e ex-muçulmanos que agora seguem a Cristo, os pastores correm contra o tempo. Eles esperam que a paz volte e os novos convertidos possam voltar às suas aldeias de origem, no interior da Síria, e compartilhem o que aprenderam, planando novas igrejas.

Muitos ficarão em Tartus e estão sendo treinados para substituir os líderes falecidos.

Entre as atividades programadas para este mês está uma Escola Bíblica de Férias, um programa de alfabetização, e cultos específicos para evangelizar crianças refugiadas, que inclui distribuição de alimentos e roupas. Além disso, estão trabalhando para solidificar as igrejas que funcionam nas casas.

Esses grupos caseiros serão a base para novas igrejas no futuro, explica o representante da Christian Aid, que não teve o nome revelado por questões de segurança.

Outro aspecto que chama atenção é o trabalho de evangelização entre os ciganos Domari, um grupo étnico tradicionalmente muçulmano, mas que não é bem visto na Síria. A porta de entrada foi assistência médica, um luxo em território sírio. Cerca de 2000 deles vivem em um acampamento em Tartus e pela primeira vez existe uma igreja entre eles.

Como a maioria dos Domari são analfabetos, o diretor do ministério conta que são oferecidas aulas de alfabetização, usando a Bíblia como base para o aprendizado. Um casal da etnia recebeu treinamento na plantação de igrejas, e estão prontos para se tornarem missionários.

 

por Jarbas Aragão

Anúncios
Sem categoria

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s