Servidores da saúde de Santa Cruz estão em greve

Prefeitura paga R$ 788,00 de salário-base aos servidores concursados, abaixo do salário mínimo

Os servidores da saúde de Santa Cruz iniciaram uma greve nesta terça-feira (21), após tentativas de negociação frustradas com a Prefeitura. A última ocorreu no dia 20/02, com a Secretaria Municipal de Saúde. Os servidores cobram o reajuste do salário-base, atualmente em R$ 788,00, reajuste nas gratificações e condições de trabalho.

O salário base é o mesmo desde 2015. Com isso, permanece abaixo do valor do salário mínimo, atualmente em R$ 937,00. Mesmo somando gratificações e adicionais, alguns servidores permanecem recebendo abaixo deste valor. Uma consulta no Portal da Transparência da Prefeitura mostra que muitos servidores – técnicos de enfermagem, Auxiliares de Farmácia, etc – recebem vencimentos entre R$ 800 e R$ 900.

O Sindsaúde entrou na Justiça em agosto de 2016, pedindo a recomposição do salário-base dos servidores. “Ninguém pode receber abaixo do mínimo. A Prefeitura está cometendo uma ilegalidade”, afirma Franklin Henrique, diretor da entidade. O sindicato alega ainda que os servidores temporários recebem o salário-base igual ao valor do mínimo atual.

As gratificações estão há muito mais tempo congeladas: cerca de oito anos. O valor pago aos servidores de nível médio oscila entre R$ 150 e R$ 200. Valores maiores são pagos a servidores de nível superior, como enfermeiros e médicos, que  superam o salário-base. Além da recomposição do valor das gratificações, os servidores pedem que parte delas seja levada para a aposentadoria e que seja feito o desconto ao INSS. Um enfermeiro, por exemplo, se aposenta hoje com praticamente o valor do salário-base.

A greve reivindica que seja implantado um Plano de Cargos e Salários na saúde do município, recomendação que consta nas Diretrizes do Sistema Único de Saúde (SUS). A cidade, a 11º do estado em população, ainda não tem o seu plano de cargos.

Condições de trabalho – O sindicato cobra a realização de um concurso público, que reduza a quantidade de contratos temporários e a precarização da força de trabalho. Atualmente, apenas cerca de 30% dos trabalhadores são efetivos e o último concurso ocorreu em 2009.

Outra reivindicação é a garantia de condições de trabalho, em especial os Equipamentos de Proteção Individual (EPI). “Hoje na maioria dos locais faltam botas de ASG, máscaras e luvas para o contato com os pacientes. Quando tem luvas, não são do tamanho adequado. Além de um salário defasado, estamos trabalhando correndo risco”, afirma Franklin.

A greve tem crescido em adesão e tomado às ruas. Depois de uma visita na Câmara dos Vereadores, os servidores têm permanecido nos principais pontos da cidade, com faixas, alertando a população para os motivos da greve. O sindicato solicitou uma audiência com a prefeita Fernanda Bezerra (PMDB), que não foi agendada.

MAIS INFORMAÇÕES:

Franklin Henrique (Sindsaúde Santa Cruz)
99941.9296 (TIM)
98719.5700 (OI)
3291.5414 (sede santa cruz)

Assessoria de imprensa Sindsaúde Estadual
99984.0152

Anúncios
Sem categoria

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s