PENHOR DA CAIXA MOVIMENTA R$ 7,2 BILHÕES NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2017

Número representa crescimento de 11,3% em relação ao mesmo período do ano passado

O Penhor da CAIXA movimentou R$ 7,2 bilhões em novos contratos e renovações no primeiro semestre de 2017. O número representa uma expansão de 11,3% em relação ao mesmo período do ano passado.

Segundo o superintendente nacional de Pessoa Física da CAIXA, Lessandro Werner Thomaz, o Penhor da CAIXA é ideal para quem necessita de empréstimo rápido e fácil. “É uma linha de crédito sem burocracia, pois dispensa avaliação de risco de crédito”, diz Lessandro.

A pessoa que possuir um bem confeccionado em ouro, prata, diamantes, pérolas, relógio ou canetas de valor poderá levar a joia para uma avaliação especializada na CAIXA, em uma das 466 agências que operam o Penhor em todo o Brasil, e receber o dinheiro na hora.

Com taxa de 2,10% a.m., o Penhor da CAIXA pode ser renovado quantas vezes o cliente quiser. O empréstimo poderá chegar até 100% do valor do bem para clientes com conta salário na CAIXA e relacionamento com o banco. Depois de quitar o contrato, o cliente recebe seu bem de volta.

Para consultar as agências que operam com penhor, acesse o site da CAIXA, no endereçowww.caixa.gov.br/penhor.

11/07/2017
Assessoria de Imprensa da CAIXA
(84) 3203-9114
comunicacao.rn6236@caixa.gov.br

Anúncios

Central de Transplantes do RN tem 296 pacientes na lista de espera

A coordenadora Central de Transplantes do RN, Raissa de Medeiros Marques, apresentou os dados mais recentes da lista ativa de espera para transplante no Estado, que totaliza 296 pacientes, dos quais 151 aguardam o transplante renal. As estatísticas foram apresentadas durante a audiência pública realizada na manhã desta terça-feira (11), na Assembleia Legislativa. O debate foi proposto pelo presidente da Casa, deputado Ezequiel Ferreira de Souza e marcou o lançamento da campanha “Doe órgãos. Salve vidas”.

“A principal causa apontada de recusa das famílias à doação é o desconhecimento em vida do desejo de doar seus órgãos por parte do falecido, bem como outros fatores culturais, religiosos. Para rever essa realidade, são necessários apenas dois passos. O primeiro passo é, seja um doador. O segundo, avise a sua família”, explica a coordenadora.

O RN realiza hoje transplantes de rim e córnea. Até o ano passado também transplantava medula óssea. No primeiro quadrimestre de 2017 foram feitos 100 transplantes no Estado. Os números superam as parciais para o mesmo período de 2016, quando foram registrados 65 transplantes.

A lista ativa de espera para transplante no Estado totaliza 296 pacientes, liderada pela espera por transplante renal, com 151 pacientes. Os transplantes de córnea e medula óssea aparecem em seguida, com 123 e 22 pacientes, respectivamente. Quase metade das famílias de potenciais doadores de órgãos no RN se recusa a liberar a doação, índice que chega, atualmente, a 42%.

A campanha será veiculada em mídias tradicionais, digitais, móveis e fixas, como outdoors e back bus (ônibus), explicando como pode ser feita a doação, quando é indicado e orienta a família com informações que ajudam a desmistificar o tema, como a aparência física após o procedimento e os custos para arcar com a doação, que não existem.