Equipe do Tarcísio Maia viabilizou doação de 84 órgãos para transplante

Em três anos de reativação da Comissão Intra-hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante (Cihdott), a gestão do Hospital Regional Tarcísio Maia (HRTM), em Mossoró, comemora as vidas salvas por famílias que, no momento de dor, tiveram tão importante ato de solidariedade.
“Há três anos que a atual gestão teve a iniciativa de recompor a Cihdott que estava desativada no âmbito do hospital. Essa iniciativa permitiu que mais de 50 potenciais doadores fossem descobertos ao nível do hospital, efetivando 14 doações de múltiplos órgãos e entregando 84 órgãos para todo o País”, ressalta o diretor geral da unidade, Jarbas Mariano.
Na última quarta-feira (11), um fato inédito mobilizou a equipe da Cihdott do hospital de forma peculiar. Duas famílias vivenciaram a dor da perda de seus entes e ambas autorizaram a doação dos órgãos. “A doaçâo só é permitida no Brasil por iniciativa da família, o fato inédito é duas doações foram feitas no mesmo dia, o que é muito raro, principalmente em hospital público, destacando o Tarcísio Maia no cenário nacional”, lembrou o diretor.
A equipe médica foi coordenada pelo cardiologista Fernando Aubuerne. O fato mobilizou uma logística especial, pois quatro aeronaves pousaram no aeroporto de Mossoró, envolvendo uma equipe afinada de diversos profissionais para que tudo desse certo. Das duas captações de múltiplos órgãos resultaram 14 doações de órgãos, que salvaram a vida de pacientes residentes em Natal/RN, Recife/PE, Fortaleza/CE e Brasília/DF.
O diretor Jarbas Mariano destacou a importância do trabalho e do ato solidário pela família dos doadores. “A importância é muito grande, imagine uma pessoa que não enxerga, passa a enxergar. Uma que depende de uma máquina de diálise para viver e passa a ter vida normal. Uma que está com dias contados por que o fígado não consegue metabolizar, passa a ter vida normal. Não temos como mensurar o tamanho desse benefício”.
Anúncios

Campanha de vacinação contra a gripe tem início dia 23 de abril

 

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza 2018 será realizada no período de 23 de abril a 1° de junho, sendo 12 de maio o “Dia D” de mobilização nacional. De acordo com a Coordenação Estadual de Imunizações (CEI), a estimativa para esta edição é vacinar mais de 54,4 milhões de pessoas em todo país e 879.430 no Rio Grande do Norte. Tendo como meta vacinar, pelo menos, 90% dos grupos prioritários.

Fazem parte dos grupos elegíveis para a vacinação as crianças na faixa etária de seis meses a menos cinco anos de idade (4 anos, 11 meses e 29 dias), gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), indivíduos a partir dos 60 anos, trabalhadores da saúde, professores de escolas públicas e privadas, povos indígenas, grupos portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas, a população privada de liberdade e os funcionários do sistema prisional.

Segundo Katiucia Roseli, coordenadora de Imunizações, “em 2017, o RN vacinou 85,7% desta população, e para este ano a Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) está concentrando esforços, por meio da CEI e das Unidades Regionais de Saúde, para que os municípios vacinem o máximo possível de pessoas pertencentes aos grupos prioritários. A ideia é que assim se possa reduzir as internações, complicações e óbitos causados por influenza”.

A influenza, mais conhecida como gripe, é uma doença respiratória infecciosa de origem viral, que pode levar ao agravamento e ao óbito, especialmente nos indivíduos que apresentam fatores ou condições de risco para as complicações da infecção (crianças menores de 5 anos de idade, gestantes, adultos com 60 anos ou mais, portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais). De acordo com a Subcoordenadoria de Vigilância Epidemiológica da Sesap, este ano, nos meses de janeiro e fevereiro foram notificados 18 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave, com dois óbitos.

A gripe é uma doença altamente contagiosa e pode se espalhar de forma rápida em locais fechados. No Brasil tem sua sazonalidade nos meses de maio até o final do inverno. O tempo de incubação do vírus pode variar de um a três dias. Os sintomas da doença podem prevalecer de três a sete dias e a recuperação do paciente pode levar até duas semanas. Os sintomas são geralmente: febre alta, dor no corpo, de garganta e de cabeça, corrimento do nariz, excesso de catarro, tosse e fraqueza muito grande. Quando não tratada corretamente pode evoluir para outras doenças como a bronquite e a pneumonia bacteriana.

“Para diminuir a proliferação do vírus alguns cuidados podem ser reforçados no período em que a pessoa estiver com gripe, como lavar sempre as mãos com água e sabão, ou, ainda, usar álcool 70%, principalmente após tossir e espirrar. Utilizar lenços descartáveis, deixar ventilado o ambiente, cobrir boca e nariz sempre que espirrar ou tossir, não tocar na região dos olhos, nariz e boca sem que a mão esteja limpa, não compartilhar objetos de uso pessoal, como garrafas, copos e talheres”, reforça Katiucia Roseli.

A coordenadora ainda enfatiza que para as pessoas que ainda não estão doentes, com alguns cuidados a influenza pode passar longe. Se for do grupo prioritário, é imprescindível a vacina, além disso, deve manter hábitos de vida saudáveis, praticar exercícios físicos regularmente e evitar um contato maior com pessoas doentes, como abraçar, beijar e dar apertos de mãos. “E se possível evitar participar de aglomerações em épocas em que o número de casos da doença for alto”, conclui Katiucia Roseli.

TJRN entrega 23 viaturas para Polícia Militar

De forma concreta nos últimos três anos, o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte tem sido um parceiro permanente das instituições estaduais de Segurança Pública. De 2015 até o primeiro trimestre de 2018, o TJRN destinou R$ 15,8 milhões para a Polícia Militar e o Instituto Técnico e Científico de Polícia (Itep). E nesta quinta-feira (05), mais um capítulo deste relacionamento institucional em favor da população potiguar se torna realidade. O presidente da Corte de Justiça, desembargador Expedito Ferreira de Souza, entrega 23 viaturas modelo Renault Duster Oroch para a Polícia Militar, às 10h30, no Quartel do Comando Geral da PM, na avenida Rodrigues Alves.

A solenidade contará com a presença do governador do Estado, Robinson Faria, e do comandante geral da corporação, coronel Osmar José Maciel de Oliveira. Neste volume de recursos destinados à PM, o Tribunal repassou desde 2015, R$ 9 milhões para o pagamento de diárias operacionais para apoiar o trabalho de patrulhamento dos militares da instituições. O restante dos valores foram destinados à compra de armas, munições e material de consumo, entre os outros itens.

“Já se tornou uma tradição do TJRN contribuir com a Segurança Pública do Rio Grande do Norte, e consequentemente realizar ações concretas como esta, que impactam a vida do cidadão, que terá uma polícia melhor equipada para lhe atender”, observa o presidente do Poder Judiciário estadual. O gesto da Justiça comprova a contínua integração entre os poderes públicos em um momento de crise econômica vivida pelo Estado.

Cooperação com o Itep

Uma das principais contribuições prestadas pelo Tribunal de Justiça ao sistema de Segurança Pública do Estado ocorreu no final de 2017, quando o TJ potiguar destinou R$ 1 milhão, por meio de convênio, para viabilizar o funcionamento de um laboratório de DNA do Instituto Técnico e Científico de Polícia (Itep), com a aquisição de um sequenciador genético e demais acessórios para análises laboratoriais.

Outro exemplo de cooperação entre o TJ e o Itep está em curso. O Tribunal de Justiça iniciou trabalho de perícia em armas que ainda não passaram por este tipo de procedimento e estão relacionadas a processos criminais. O TJRN formou uma comissão especial para fazer este serviço, já que a polícia científica não possui número suficiente de peritos para este fim.

A importância deste trabalho é que se as perícias não forem feitas nas armas, um dos possíveis resultados será a prescrição dos processos. Com a perícia, os processos serão preparados para ir a julgamento. Um grupo de policiais realiza as perícias. Obviamente, por questões de segurança nem os locais deste trabalho nem as quantidades de armas serão divulgados.

 

Secretaria de Comunicação Social do Tribunal de Justiça do RN
Praça 7 de Setembro, S/N – Natal/RN, 59025-300 | (84) 3616-6392