Scheila Carvalho diz que pretende se tornar evangélica

As dançarinas Sheila Mello e Scheila Carvalho voltaram a se apresentar dançando canções do “É o tchan”, grupo de axé que se tornou um grande sucesso brasileiro na década de 1990 e começo de 2000.

Mas a ideia das dançarinas não é seguir esta rotina de apresentações por muitos anos. Sheila Melo, a loira, quer se tornar preparadora corporal, Scheila Carvalho, a morena, pretende se tornar evangélica e abandonar de vez a imagem de símbolo sexual.

“Hoje, estou mais para o lado cristão, e algumas coisas não tem a ver com o que eu venho lendo na Bíblia, não fazem mais sentido”, disse ela em entrevista ao jornal Extra.

Scheila, que participou da última edição do reality show “A Fazenda”, na Rede Record, ainda não se tornou evangélica, mas acredita que não demorará muito para se entregar à religião. “Ainda não me converti, estou em fase de entendimento, buscando a palavra”.

Antes mesmo de tomar uma decisão sobre o futuro profissional, a morena declara que está entregando o futuro nas mãos de Deus. O que ela tem claro em sua mente é que não voltará mais a posar nua.

Scheila é casada com o cantor Tony Sales com quem tem uma filha, Giulia, de 4 anos. Já Sheila Melo é casada com o ex-nadador Fernando Scherer, com quem tem uma filha, Brenda de 1 ano.

Eles não se importam com a vida dos palestinos, denuncia “filho do Hamas”

Mosab Hassan Yousef é filho do sheik Hassam, um dos fundadores do Hamas, mas abandonou a organização terrorista quando se converteu ao cristianismo. Ele foi criado em Gaza e já escreveu um livro sobre o assunto, onde relata as sucessivas ameaças de morte recebidas por expor como funciona o Hamas. Em entrevista à CNN, voltou a mostrar que o objetivo do Hamas é o estabelecimento de um Estado Islâmico no território que hoje pertence ao Estado judeu.

“O Hamas não procura a convivência, está buscando a conquista. A destruição do Estado de Israel não é seu objetivo final, mas um Estado Islâmico que se erguerá sobre as ruínas de outros”, diz Yousef.

Yousef é conhecido nos EUA, onde vive, como o “Filho do Hamas”, título do seu livro autobiográfico. Criado para suceder o pai no comando, relata que se decepcionou com a hipocrisia que via na organização.

“Nas mesquitas, o Hamas nos ensinava que sem derramamento de sangue inocente, por causa da ideologia, não seríamos capazes de construir um Estado Islâmico. Eles estavam nos preparando desde os cinco anos de idade. Esta é a ideologia que o Hamas oferece. Na verdade é quase impossível para qualquer um romper com isso e ver a verdadeira face do Hamas, saindo fora desta ideologia. No meu caso, eu precisei perder tudo após dizer não ao Hamas. Hoje, quando olho para as crianças de Gaza, sei o que eles são aprendendo desde cedo. Eu sei que eles não têm escolha”, lamenta Yousef.

Para ele, embora a mídia divulgue muitas coisas diferentes, o Hamas não se importa com as vidas dos palestinos. “Eles acreditam que morrer por causa de sua ideologia é uma forma de adoração a Deus”, explica Yousef.

Quando Yousef começou a questionar o discurso do Hamas, sofreu retaliação em sua própria família. Na mesma época (1999) conheceu um missionário britânico e estudou sobre o cristianismo durante seis anos. Ao tomar a decisão de aceitar Jesus e romper com a tradição política e religiosa da família, ele literalmente perdeu todos os seus familiares e amigos.

A organização terrorista afirmava que ele trabalhava como espião para a agência israelense Shin Bet. Seu pai divulgou um comunicado na época onde afirmava: “Eu, Sheik Hassan Yussef, minha esposa, filhos e filhas anunciamos que renegamos completamente o homem que era nosso filho mais velho”.

Desde que se refugiou nos EUA, para escapar da morte certa na Palestina, ele vem se dedicando a ensinar a Igreja sobre o Islamismo e promovendo campanhas de oração pela salvação dos muçulmanos. Para ele, são pessoas maravilhosas, mas estão presos pela ideologia islâmica.

Ele conta que para um muçulmano convertido é muito dificil viver em Israel. Ele passou anos em prisões israelenses, foi torturado e espancado quase até a morte por soldados israelenses e por ser filho de um dos líderes do Hamas era considerado terrorista. Por outro lado os muçulmanos o odiavam pois afirmavam que era um traidor, um espião sionista. Mas seu relacionamento com Deus o fez seguir os ensinamentos de Jesus e perdoar os seus inimigos.

Embora tenha sido rejeitado pela família, explica que ora todos os dias por eles e que ainda os ama. Insiste que os ocidentais confundem o Islã (sistema religioso) e os muçulmanos, que julgam estar agradando a Deus fazendo o que fazem, inclusive atentados. Yousef está trabalhando na produção de dois filmes. Um retratará sua história pessoal, o outro será sobre a vida de Maomé, onde deseja oferecer uma visão crítica e histórica do profeta do Islã. Com informações CBN e Christian News

Apostasia é uma realidade nos meios evangélicos, diz pastor

Você com certeza deve conhecer algum amigo de igreja que hoje não confessa mais a fé cristã. Também deve conhecer líderes que caíram em pecado, ou deixaram de acreditar no que pregavam e abandonaram o ministério, não aceitando mais o Evangelho da Salvação.

A apostasia, isso é, o esfriamento espiritual, é um dos sinais do fim dos tempos, como podemos ler em 1 Timóteo 4:1 e 2 Tessalonicenses 2:3, mas também encontramos nas Escrituras advertências para não nos afastarmos da verdade de Deus.

Nesta terça-feira (29) o reverendo Augustus Nicodemus Lopes, da Igreja Presbiteriana de Santo Amaro, escreveu um texto sobre este tema em seu Facebook. O religioso comentou que conhece muitas pessoas, incluindo seus professores, que hoje se distanciaram da fé e nem se apresentam mais como cristãos.

No texto ele questiona o que tem levado essas pessoas a tomarem esta decisão de renegar os valores morais do cristianismo e aceitarem a liberação total como filosofia de vida.

Entre os motivos que podem explicar estas escolhas, Nicodemus cita algumas situações:
– os que creram por um tempo e depois se desviaram, por causa dos cuidados desse mundo e por causa das perseguições;
– os que, depois de algum tempo, passaram a dar ouvidos a doutrinas de demônios;
– outros, se desviaram da fé para professar uma doutrina que acharam que era mais intelectual e
– os que foram levados pela cobiça, como Judas, Balaão e Demas, que amou o presente mundo.

“Em resumo, os motivos externos são vários: amor ao dinheiro, orgulho, problemas morais não resolvidos, vaidade intelectual, falta de coragem para assumir a verdade e desejo de novidades. A raiz de tudo isso, ao meu ver, é a falta de um coração regenerado, um motivo que os autores bíblicos estão sempre prontos a admitir”, afirma o reverendo presbiteriano.

Nicodemus Lopes não quis entrar no mérito da salvação dos apostatas, até porque ele acredita que os eleitos perseverarão até o final. Porém ele comentou sobre três coisas que mantêm o cristão na verdade: o temor a Deus, a humildade e um coração quebrantado.

“Os que verdadeiramente se humilham diante de Deus e tremem de sua Palavra, mesmo que errem em pontos secundários, que caiam eventualmente em pecados, jamais se afastarão definitivamente de Deus e da sua palavra.”

No texto o presbiteriano afirma que, em seu ponto de vista, o verdadeiro crente não pode abandonar a Deus nem se quiser, enquanto que os apostatas passam desse limite por não acreditarem fielmente na Palavra.

Estado Islâmico explode túmulos de profetas bíblicos

O grupo extremista muçulmano Estado Islâmico (ex-ISIS) tomou conta da região na fronteira entre Iraque e Síria. Em Mosul, cidade que foi construída no local da Nínive bíblica, se encontram alguns locais que são considerados importantes por judeus e cristãos.

Ali se encontra o túmulo do profeta Jonas (Nabi Younis em árabe), que ficava em uma mesquita, pois muitos islâmicos também o consideravam profeta, pois é mencionado no Alcorão. Os militantes do Estado Islâmico tinham quebrado o local, alegando que era uma forma de idolatria. Agora, fecharam todas as portas da mesquita de Nabi Younis e impediram a entrada de fiéis para orar. Colocaram explosivos e destruíram totalmente o local.
Segundo testemunhas, demorou cerca de uma hora para que o local estivesse totalmente destruído.  De acordo com a rede Al-Arabiya, o túmulo de Jonas foi edificado no século VIII aC. As agências de notícias iraquianas relatam que o local foi totalmente renovado na década de 1990 pelo ditador Saddan Hussein. Também foi divulgado que outros santuários da cidade foram destruídos, uma mesquita que abrigaria o túmulo do profeta Daniel. Embora não seja mencionado no Alcorão, também é um profeta reverenciado pelos muçulmanos.

O terceiro túmulo explodido foi um que pertenceria a Sete, filho de Adão. Diferentemente dos outros, este era um local sem comprovação histórica, tendo histórias semelhantes em outros locais do Oriente Médio.

A questão principal é a demonstração de poder por parte do Estado Islâmico, que expulsou milhares de cristãos da região, praticamente acabando com o cristianismo no local.  O IE já explicou que irá impor a sharia (lei islâmica).

Após terem decretado o ressurgimento do califado e sua cruzada para unir todos os muçulmanos do mundo, o ISIS tem crucificado cristãos rotineiramente, destruído suas igrejas e oferecido recompensas para quem entregar os pastores e missionários que vivem no norte do Iraque. A ONU denunciou que o grupo ordenou que todas as mulheres entre 11 e 46 anos sejam submetidas a mutilações genitais.

Além de destruir museus, mesquitas xiitas e túmulos no território sob seu domínio, o Estado Islâmico prometeu erradicar os sítios arqueológicos importantes. A área em torno de Mosul, sede atual do ISIS, abriga 1.791 sítios arqueológicos, incluindo ruínas de quatro capitais do império assírio. A cidade foi local de diversas batalhas bíblicas do Antigo Testamento e, de acordo com a tradição judaica e cristã, foi fundada pelo bisneto de Noé, Nimrode. Com informações The Guardian, Virtual Jerusalém e Huffington Post.

Veja p video

Tenho Jesus como meu exemplo, diz Kaká

De volta ao Brasil para jogar pelo São Paulo, Kaká deu uma entrevista ao blog Sonia Racy falando sobre futebol, Copa do Mundo, sua rotina de treino e sobre religião.

O jogador que acaba de completar 33 anos vai ficar no Brasil até o final do ano quando se mudará, com sua esposa, Carol Celico, e seus dois filhos para os Estados Unidos onde ficará por três anos defendendo o Orlando City.

Na entrevista o atleta falou que divide sua vida em cinco áreas: psicológica, técnica, física, tática e espiritual. Sempre que ele percebe um desequilíbrio em uma delas, ele procura ajuda. “Se você entra em campo com um problema em casa, de família, seu rendimento é completamente diferente”, disse.

Ao falar sobre espiritualidade, Kaká reafirmou que não tem mais ligações com igrejas evangélicas, mas que mantém sua fé em Jesus, sempre lendo a Bíblia e orando.

“Sou um cara que ama a Bíblia, tenho Jesus como meu exemplo. Então, faço as minhas orações. Tenho a Bíblia no meu telefone e estou lendo muito os Evangelhos ultimamente, para entender um pouco mais de Jesus e das coisas que ele fazia, como fazia e por que fazia”.

Kaká relembrou que ficou muitos anos na Igreja Renascer em Cristo, mas que chegou um momento em que ele preferiu se desligar da instituição. “A gente tem uma ótima relação com eles”, afirmou o jogador do São Paulo se referindo ao casal Sônia e Estevam Hernandes.

O desligamento do casal Kaká e Carol Celico da Igreja Renascer aconteceu no fim de 2010. O jogador era presbítero da igreja e sua esposa tinha sido ordenada a pastora.

Criacionista diz que não há salvação para extraterrestres

Existe vida extraterrestre? Se existir, essas populações estarão condenadas ao inferno. É o que diz o americano Ken Ham, presidente da Answers in Genesis e do Museu de Criação.

Ham é criacionista e diz que não há salvação para os extraterrestres. “A Bíblia deixa claro que o ‘pecado de Adão afetou todo o universo’. Logo, seres de outros planetas também seriam afetados. No entanto, por não serem descentes de Adão, eles não podem ter a salvação”, disse.

Na visão do fundador do Museu da Criação que fica em Kentucky, Estados Unidos, nem Jesus poderia salvar os alienígenas por não serem descendentes de Adão, ou seja, estão fora do plano de redenção traçado para a humanidade com a queda de Adão e Eva.

A Nasa tenta encontrar vida em outros planetas, tanto que o administrador da agência espacial americana, Charles Bolden, estima que em 20 anos seja possível encontrar evidências de que há vida extraterrestre.

“É altamente improvável que, na vastidão ilimitada do universo, nós, humanos, estejamos sozinhos”, disse ele em entrevista na semana passada. Com informações Terra.